13º Congresso Cearense de Pediatria

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A ROMBOENCEFALITE EM PACIENTES PEDIATRICOS: UMA CONFUSAO DIAGNOSTICA

Introdução

Romboencefalite é uma síndrome rara, que se refere a doenças inflamatórias que afetam o tronco cerebral e o cerebelo. Essa doença pode ter origem viral, bacteriana e autoimune. Dentre as causas infecciosas mais comuns, o Enterovírus 71 (EV 71) destaca-se, afetando principalmente crianças entre 0,5 e 4 anos. Os sintomas são: ataxia, febre, meningismo e disfunção de nervos cranianos.

Objetivos

Este trabalho tem como objetivo analisar a dificuldade no diagnóstico de romboencefalite por EV 71 em crianças.

Relato do caso

Paciente, 5 anos, procurou atendimento após 5 dias com ataxia, disfagia, vômitos e sonolência, associado meningismo. Foi iniciado aciclovir e ceftriaxone. Coletado líquidocefalorraquidiano (LCR) com 100 células (L80/N20), glicose 65, proteína 45. Realizado coleta de PCR para HSV, EBV, Enterovírus, CMV, Listeria. Evoluiu com disartria, sendo realizado ressonância magnética de encéfalo (RMN) com alteração de sinal difusa com hipossinal em T1 e isossinal em T2 e FLAIR, acometendo medula cervical, o bulbo e ponte. Foi realizado imunoglobulina humana (IVIG) por três dias. Paciente evoluiu com melhora total dos sintomas em 7 dias, quando após resultado de PCR para enterovírus, foi suspenso os antibióticos e antivirais.

Discussão

A romboencefalite infecciosa viral pode apresentar-se como diagnóstico diferencial diante de quadros com envolvendo do tronco encefálico com alterações na ressonância magnética caracterizado por hipersinal de tronco e medula, sendo os principais, a leucoencefalopatia com envolvimento de tronco e medula com picos de lactato (LBSL), listeriose e encefalite de Bickerstaff. Na suspeita deve ser realizado o painel viral e RMN de encéfalo. A diferenciação é fundamental, para o manejo clínico e prognóstico. Estudos apontam bons resultados com IVIG.

Conclusões

Conclui-se que a romboencefalite tem apresentação inespecífica, dificultando o diagnóstico precoce e o manejo.

Palavras-chave (máximo 5, de acordo com o DeSC)

ROMBOENCEFALITE; ENTEROVÍRUS 71; LEUCOENCEFALOPATIA.

Área

Neurologia

Autores

Maryssa Menezes Carvalho, Maria Eduarda Pereira Fernandes, Marina Murad Regadas, Victória Feitosa Possidônio, Lívia Duarte de Farias Lima, Mariana Braatz Krueger